quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O DESAFIO DAS MULTIVANS



Fiat Doblò Adventure


A maioria das pessoas, quando vai comprar um carro, pensa em coisas objetivas (desempenho, segurança ou relação entre custo e benefício) ou subjetivas (beleza, dirigibilidade ou tradição da marca). Mas uma minoria despreocupada crê que um carro é nada além de um meio de transporte, que só precisa ter o essencial para ser considerado numa compra. E no meio dessa minoria, algumas pessoas precisam simplesmente de espaço.

 
Algumas marcas, há algum tempo, se preocuparam em oferecer a este tipo de consumidor um carro que atendesse às suas frugais expectativas. Surgiram, então, as multivans – que são diferentes das minivans porque nasceram furgões e só depois ganharam mais bancos e mais itens de conveniência, se tornando mais confortáveis e mais utilizáveis pelo motorista comum. No Brasil, os representantes deste segmento continuam os mesmos há um bom tempo: Fiat Doblò, Renault Kangoo e Peugeot Partner – este último, nada mais que uma variação do extinto Citroën Berlingo.


Renault Kangoo SportWay


Com o passar do tempo, porém, as marcas perceberam que as multivans atraíam não somente o consumidor incorrigivelmente racional. Compradores de minivans começaram a perceber que o a relação entre custo e benefício dos ex-furgões era bem melhor, ainda que houvesse prejuízo à dirigibilidade e ao acabamento. Por isso, hoje o que vemos no mercado são modelos repaginados, uns mais que outros, que tentam agradar não somente ao cérebro, mas também aos olhos. Doblò, Kangoo e Partner receberam, recentemente, face-lifts que suavizaram um pouco as já cansadas linhas de seu design bastante previsível, com o cofre do motor à frente de um caixotão. Além disso, as antes solitárias versões urbanas abriram espaço para as pseudo-aventureiras Adventure, Sportway e Escapade, mais vistosas e equipadas.

Num comparativo entre multivans, o desempenho é a última coisa que importa: não são carros feitos para correr. A motorização de todas (com exceção do 1.4 da Fiat) é mais que suficiente para garantir boas velocidades médias de cruzeiro e ultrapassagens seguras, mas é bom não abusar em curvas, já que o centro de gravidade é alto. Assim, a melhor forma de avaliar qual a melhor multivan para você é saber o que ela traz pelo que custa. E nisso o Doblò não se sai bem.


Peugeot Partner Escapade


Ele pode ser o mais vendido, mas na versão básica é o pior. O já citado motor 1.4 Fire não é páreo para os seus 1.250 quilos – que podem subir para 1.810 kg se ele estiver totalmente carregada. De série o modelo da Fiat só traz direção hidráulica, travas elétricas e computador de bordo. É muito pouco para os R$ 51.990,00 iniciais. O Kangoo básico traz ainda menos (só direção hidráulica e ajuste de altura dos faróis), mas custa bem menos: R$ 45.320,00. Surpreendentemente, o mais barato Partner é o que aqui se sai melhor: por R$ 45.200,00 você leva, de série, direção hidráulica regulável em altura, vidros dianteiros elétricos, retrovisores elétricos, travas elétricas com travamento automático em velocidade, abertura do portamalas pela chave, follow me home, limpador traseiro sincronizado com o engate da ré e faróis com regulagem de altura.


Fiat Doblò Adventure - Painel


Mas as versões básicas de multivans não são as mais vendidas. Como é comum para todos os modelos que têm versões aventureiras, são estas que mais atraem o consumidor. Outra vez, o mais vendido Doblò Adventure se sobressai pelo alto preço: absurdos R$ 64.550,00 (e que pode chegar a R$ 68.906,00 com todos os opcionais). Pelo menos ela vem bem equipada de série: além dos diferenciais da versão Adventure (bloqueio de diferencial, bússola, 2 inclinômetros, faróis de milha e de neblina, suspensão elevada e rodas de alumínio com pneus de uso misto), ela vem com o 6º banco no portamalas, ar condicionado, direção hidráulica regulável em altura, computador de bordo completo, travas elétricas, vidros elétricos dianteiros, airbag duplo, ABS e o exuberante motor 1.8 16v com 130/132 cv, o que lhe garante ótimo desempenho com mais equilíbrio, com os pneus maiores e a suspensão reforçada.


Renault Kangoo SportWay - Painel


Já o Kangoo Sportway, que tem um preço bem mais em conta (R$ 53.920,00), traz a mais o CD player com comandos na coluna de direção, o alarme e a possibilidade de ter 7 lugares (único opcional, com o qual o preço passa a R$ 55.020,00), mas não tem ABS nem computador de bordo, e sua suspensão é exatamente igual à do modelo básico. Seu motor 1.6 16v é o menos potente dentre todos os aventureiros, com 95/98 cv.


Peugeot Partner Escapade - Painel


E o Partner Escapade mais uma vez surpreende pelo preço mais em conta: R$ 50.600,00. Sua maior vantagem está, porém, na possibilidade de equipá-lo com praticamente os mesmos equipamentos que o Doblò por somente R$ 5.000,00 a mais. A versão completa traz ar condicionado, direção hidráulica com ajuste de altura, computador de bordo, faróis de neblina, travas e retrovisores elétricos, vidros elétricos dianteiros, rodas de alumínio, airbag duplo e ABS. E sua maior desvantagem está no fato de não oferecer 7 lugares nem como opcional. O motor Peugeot 1.6 16v entrega 110/113 cv de potência.


Fiat Doblò Adventure - Porta-malas


Todas trazem excelente espaço interno para motorista e passageiros. Já no portamalas, o Doblò leva vantagem: são 750 litros, contra 624 do Partner e 600 do Kangoo (nas versões com 5 lugares). Nunca é demais lembrar que quanto mais lugares para a galera, menos espaço para bagagens: o Kangoo, que já tem menos espaço que os concorrentes, sofre ainda mais para acomodar as malas em sua versão com 7 lugares. O Partner não tem problema para levar a tralha, mas se a família tem pai, mãe e 3 filhos, a avó não pode ir junto. O Doblò, em sua versão com 6 lugares, é o que parece conciliar melhor o compromisso de multivan, com mais assentos que um carro normal e espaço mais que suficiente para levar a bagagem de todos (665 litros).


Renault Kangoo SportWay - Porta-malas


Quanto ao visual, o design semelhante dos 3 modelos nas versões básicas guardam muitas peculiaridades nas aventureiras. O Doblò é o que parece mais equilibrado, especialmente depois do face-lift. Por já ser um carro grande e parrudo, os apliques de plástico não parecem tão exagerados assim; pelo contrário, reforçam a idéia de resistência. O Kangoo fica no meio-termo: sua suspensão já é naturalmente alta, a nova frente o deixou mais bonito e os apliques plásticos, se não são tantos quantos os da multivan da Fiat, pelo menos cumprem o seu papel de diferenciar o modelo. E o Partner, com suspensão mais baixa e menos apliques, é o que mais se assemelha a um carro. A única esquisitice fica por conta da grade que cobre os faróis.


Peugeot Partner Escapade - Porta-malas


Todos têm garantia de 1 ano. Os preços das revisões varia de uma para outra concessionária, mas o Partner tem a vantagem de ter sido lançado com o preço da primeira revisão fixado em R$ 126 reais. Como são carros grandes, pesados e com enorme área frontal, não se pode esperar muito em termos de economia de combustível, mas o que eles entregam em termos de praticidade, espaço e resistência certamente compensa. Verifique suas prioridades e escolha o seu.

2 comentários:

  1. O kangoo deixou de ser fabricado na versão de passageiros. Não aparece mais na página da Renault. Uma pena.

    ResponderExcluir
  2. mataran o kangoo no brasil,so quem ja teve umsabe o quanto é util o carrinho

    ResponderExcluir