quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

REBOQUES: QUAL COMPRAR, COMO MANTER E COMO GUIAR


Arrumar a bagagem para viajar costuma ser problema para algumas pessoas - na ida e principalmente na volta, quando sempre parece que há mais coisas para trazer. Um reboque pode ser a solução para evitar esses contratempos.

Por Rodrigo Rego


Reboques fechados garantem conforto e versatilidade para levar bagagens, inclusive em dias de chuva

"É grande demais, não cabe no porta-malas!" Você já passou por uma situação dessas? Saiba que nem sempre é preciso comprar um carro maior para poder levar tudo o que você precisa. Uma ótima opção de extensão do porta-malas é um reboque, comumente conhecido como carretinha.

Existem vários modelos de carretinhas para levar tudo o que você precisar. A carretinha mais comum - e normalmente mais barata - é a conhecida como fazendinha, que tem formato aberto e é construída geralmente em madeira e/ou metal. Outro modelo é a de formato baú, que pode levar objetos menores, como malas, e os deixa mais protegidos do sol e da chuva.

Há, obviamente, reboques específicos para carregar objetos maiores que com certeza não caberiam dentro de um veículo comum ou até de uma picape. Existem reboques para levar lanchas, jet-skis, motos, quadriciclos, cavalos e até plataformas para levar carros ou carrinhos de golf. E se você pensa em sair pelo país acampando, você ainda pode levar a sua casa; para isso existem os trailers e reboques de barracas.


Reboques do tipo "Fazendinha" podem ser usados inclusive para transportar animais

Manutenção

O primeiro cuidado que se deve tomar antes até de comprar um reboque é verificar a capacidade de tração do seu veículo. Todo carro tem, no manual do proprietário, a informação sobre a capacidade de tração para rebocar e o peso máximo admissível neste reboque. Para isso deve-se levar em conta o peso do carro, dos ocupantes, das malas, o peso do reboque em si e do que for em cima ou dentro dele. Alguns carros híbridos, como o Toyota Prius, por exemplo, não podem  rebocar nenhum objeto por causa da sobrecarga ao motor elétrico. 

Outro cuidado é verificar o tipo de engate que será instalado no veículo. Para rebocar coisas maiores, mais pesadas e que necessitam de maior tração do carro, o engate deve ser removível. Os engates fixos devem ter bordas arredondadas, tomada para a instalação elétrica do carro, selo do Inmetro e a bola para encaixar o reboque. É preciso ainda checar a parte elétrica, que deve ser conectada à tomada para verificar o funcionamento de luzes de placa, lanterna, luzes de freio e setas. Em caso de reboques que são colocados na água para descarregar lanchas e Jet-skis, verifique se não há infiltração de água no sistema elétrico, que pode prejudicar o funcionamento das luzes.

Os pneus também são essenciais e precisam de verificação contínua. Geralmente são de aro 13 ou 14 e, portanto, não tão caros. Alguns reboques tem sistema próprio de freios, que deve ser checado também. Sobre o reboque em si, é preciso prestar atenção no chassi que deve ser marcado e constar no documento do reboque. Falando em documento, você deve pagar o licenciamento anual para receber o CRLV e poder rodar sem problema.


Plataformas para transportar motocicletas têm preços a partir de R$ 2.000,00, novas

Cuidados ao dirigir

Alguns cuidados devem ser tomados em relação à forma de direção, já que o reboque é uma extensão do carro, chegando quase a dobrar seu tamanho. O primeiro diz respeito aos valores reservados para pedágios: prepare o bolso, pois eles cobram por eixo. Quanto mais eixos a carretinha tiver, maior o valor adicional ao do que se costuma pagar por um carro. 

Por conta do peso que o carro leva a mais é essencial prestar atenção dobrada nas ultrapassagens. É preciso saber se ele terá força suficiente para acelerar e, consequentemente, se será possível fazer a ultrapassagem, bem como cuidado para não fechar o carro que está sendo ultrapassado. Além disso, tudo que acelera deve frear; com mais peso engatado ao carro, deixe mais espaço para frenagens de emergências, pois ainda que o reboque tenha sistema de freios grande parte de seu peso será transferido para o carro. E cuidado com o efeito chicote: desvios repentinos em altas velocidades podem fazer o reboque sair do seu eixo e levar a traseira do carro para fora, podendo causar um grave acidente.

As curvas devem ser feitas mais abertas, para não haver o risco de as últimas rodas subirem na calçada. Já as manobras se tornam bem mais difíceis por conta do reboque: você terá que virar o carro sempre no sentido oposto para colocar o reboque dentro da vaga, ou fazer o retorno antes do carro. Como ele ocupa praticamente o tamanho de mais um carro, as vagas também devem ser duas, uma em frente à outra.


Independente de seu tamanho, é preciso mais planejamento para dirigir e manobrar um carro com reboque

Preços

Os valores de reboques variam muito por conta da função de cada um. Um reboque do tipo baú, feito em fibra de vidro, pode custar a partir de R$ 6.000,00 novo. Já um do tipo "fazendinha", bem mais em conta, tem preço inicial em torno dos R$ 2.000,00, enquanto uma plataforma para motos sai por um pouco mais, cerca de R$ 2.100,00. Reboques maiores, como trailers e plataformas para veículos de grande porte, por serem feitos por encomenda podem ter valores diversos a depender das exigências do comprador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário